[Resenha] Star Wars: O Arquivo Rebelde


Livro: Star Wars: O Arquivo Rebelde
Autor: Daniel Wallace
Páginas: 176
Ano: 2018
Comprar: Físico

Sinopse: A inteligência reunida da Aliança Rotulados de rebeldes e traidores, os integrantes da Aliança trabalharam nas sombras, reunindo informações e apoio por toda a galáxia para pôr fim à tirania do Império. Escondidas em um compartimento de segurança, seus dados mais vitais e confidenciais foram compilados pelos secretários próximos a Mon Mothma e mantidos fora de alcance até agora. Esses arquivos, descobertos nas ruínas de uma antiga base rebelde, passaram por membros cruciais da Resistência, que fizeram anotações e atualizações, relatando suas próprias descobertas nos documentos. Um repositório de toda a inteligência da Aliança, O arquivo rebelde reúne documentos secretos, transmissões interceptadas e mensagens trocadas, de modo a recapitular a formação da Aliança Rebelde e revelar seus mistérios.
É fã de Star Wars? Ou não sabe por onde começar a gostar dessa saga? Pois saiba que esse livro é uma boa pedida para as duas perguntas. O livro trás alguns arquivos de Rebeldes, que são forças do bem que reagiam contra as ordens do local.


Nessa edição vamos encontrar conversas, imagens, dados e depoimentos das tentativas de derrubada do império, dentre esses depoimentos encontramos também o da princesa Leia, que durante uma de suas missões, foi capturada pelo Império e presa em sua estação espacial, a Estrela da Morte, personagem essa que muitos admiram. 


Essa edição é dividida da seguinte maneira: nos primeiros capítulos seremos apresentados a organização da rebelião, quem acompanha a saga identificará vários personagens durante a leitura, mas quem não acompanha é uma bela introdução. Depois o reagrupamento e o contra-ataque, a leitura trás táticas de combate, planos dos rebeldes, tudo com detalhes que nos insere de maneira fantástica na leitura. Como disse se você é fã irá amar esse livro, pois é uma bela edição recheada de detalhes e se você que quer começar a conhecer é um bom livro para se iniciar.

[Filme] Máquinas Mortais

Um filme que tinha tudo para ser maravilhoso e acabou me decepcionando. Infelizmente é de forma direta que deixo minha opinião. Máquinas mortais é baseado no livro de Philip Reeve e sendo o primeiro das Crônicas das Cidades Famintas que hoje possui apenas três livros publicados.

A história se passa após a guerra dos sessenta minutos, onde as cidades passam a se mover sobre rodas gigantes e lutam umas contra outras para consegui seus recursos naturais e é quando a maior cidade tração (Londres) devora a cidade onde Hester Shaw vive que a história se desenrola, ou pelo menos tenta se desenrolar. Pois quando pensamos que a história vai, ela volta.

Após entrar em Londres, Hester acabará tendo seu plano atrapalhado por Tom e ele ao descobrir que Thaddeus Valentina matou a mãe de Hester, será empurrado para fora da cidade. E quando isso acontece surge um romance entre eles, algo bem forçado e fraco. Os dois vilões, são vilões porque são, não tem um motivo real ou menos clichê.

Essa é a palavra que define bem o filme, clichê, onde encontramos até uma cena parecida com a de Star Wars, os efeitos são bons, mas em alguns momentos deixa a desejar e me senti assistindo o filme de produção antiga. 

Falha na produção, falha na atuação, mas com uma bela fotografia. É o que encontramos em Máquinas Mortais, se haverá continuação não posso afirmar, mas creio que não.


Sinopse: Anos depois da "Guerra dos Sessenta Minutos" a Terra está destruída e para sobreviver as cidades se movem em rodas gigantes, conhecidas como Cidades Tração, e lutam com outras para conseguir mais recursos naturais. Quando Londres se envolve em um ataque, Tom (Robert Sheehan) é lançado para fora da cidade junto com uma fora-da-lei e os dois juntos precisam lutar para sobreviver e ainda enfrentar uma ameaça que coloca a vida no planeta em risco.
Elenco: Hugo Weaving, Hera Hilmar, Robert Sheehan
Duração: 2h 08min
Diretor: Christian Rivers
Distribuidora: Universal
Gênero: Aventura
Classificação: Em breve

Assista ao Trailer



[Resenha] A Bruxa não vai para a fogueira nesse livro


Livro: A Bruxa não vai para a fogueira nesse livro
Autora: Amanda Lovelace
Páginas: 208
Ano: 2018
Comprar: Físico

Sinopse: Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, "A princesa salva a si mesma neste livro", cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. Ao lado de Rupi Kaur, de "Outros jeitos de usar a boca" e "O que o sol faz com as flores", Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seu "A bruxa não vai para a fogueira neste livro" é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.
Feminismo termo que está em moda ultimamente, mas alguns não sabem seu significado, ser feminista é lutar pelo direito da mulher na sociedade. Deixemos bem claro que ser feminista não é odiar o homem. E esse é um dos principais temas dessa obra.

"Posso não sobreviver aos fósforos, mas meu fogo de vadia vai sobreviver a todos eles."

Uma leitura com uma dose de revolta, onde as mulheres cansaram de ficar caladas e chegou a hora de falar, de lutar pelo seu direito em todos os sentidos, de não sentir-se oprimida, e de se amar e apoiar umas as outras. Esses são os sentimos que a autora nos trás em formato de poesia/poemas nessa edição, dividido em quatro partes: O Julgamento, A Queima, A Tempestade de Fogo e As Cinzas.

"- o abuso não deve ser romantizado."

Iremos nos identificar em alguns momentos na escrita da Amanda Lovelace, que vem de forma intensa acordar algumas mulheres para a vida, que estão deixando ela passar despercebida, sua intenção é que a gente levante a cabeça e corra atrás do que é nosso por direito.

"- uma bruxa sabe que os espelhos às vezes mentem."

Essa obra além do feminismo trás também temas como relacionamentos abusivos, a influência do pai onde a menina é submissa e frágil, e algumas vezes o ódio pelo seu corpo, pois vivemos numa sociedade que impõe padrões do que é belo.

"- não sou sua boneca de papel, nem sua boneca inflável."

É uma obra que toda mulher deveria ler, nessa edição a diagramação está bem interativa, é um livro que lemos em poucas horas, mas que faz com que a gente reflita por longos dias.

[Unboxing] Papel na Caixa - Llama Party #Dezembro

Sobre a box:

É clube de assinatura de itens de papelaria. E você pode escolher entre os planos "VOU COM CALMA!" e receber por apenas um mês ou "RESISTIR PRA QUÊ?", garantindo sua entrega todos os meses.

Ao assinar, você receberá em sua casa uma caixa com 6 a 12 itens escolhidos especialmente para você. São canetas, lápis, borrachas, post-its, bloco de notas, clips, marcadores, mimos entre outros.



Tema do mês de Dezembro


Confere o vídeo:



[Filme] Dragon Ball Super Broly

Um rei vendo que uma profecia pode ser concretizada e que acabará atrapalhando o futuro do príncipe, resolve enviar a criança rival para um planeta bem distante. Porém, o destino não pode ser evitado. E teremos essa criança como personagem principal do filme, um vilão que não quer ser vilão, mas acaba sendo devido as circunstâncias imposta.
E a história irá girar em torno do aprendizado de Broly e a influência negativa de seu pai, a vontade Freeza em dominar todos os planetas e destruir seus maiores inimigos, Goku e Vegeta e  a luta dos dois contra Broly.
Dragon Ball Super Broly é o vigésimo longa dessa série de animação e é mais do mesmo. É um filme previsível, quem acompanha a série Dragon Ball Z verá alguns dos personagens principais em segundo plano. O que dá um up no filme é as cenas da batalha que às vezes chega a ser cômica. 
É um bom filme para quem é fã da série e dá margem para uma possível continuação. 


Sinopse: O filme traz outros mundos além da Terra e do Planeta Vegeta, incluindo um mundo inédito chamado Planeta Banpa. Apesar de não haver uma sinopse oficial, há rumores de que a história será focada na origem do poder dos Saiyajins, e mostrará Broly, um Saiyajin desconhecido, que aparece diante de Goku e Vegeta, iniciando uma intensa batalha dos três indivíduos com caminhos diferentes que finalmente se encontrarão.
Elenco: Masako Nozawa, Ryô Horikawa
Duração: 99 min
Diretor: Tatsuya Nagamine
Distribuidora: Fox Films
Gênero: Animé
Classificação: 10 Anos

Assista ao Trailer:


[Resenha] As Madonas de Leningrado


Livro: As Madonas de Leningrado
Autora: Debra Dean
Páginas: 256
Ano: 2018
Comprar: Físico


Sinopse: Guerra, amor e vida se unem neste drama profundamente sensível, que visita as lembranças da Segunda Guerra Mundial de uma idosa russa, em uma emocionante homenagem à memória, ao amor e, acima de tudo, à vida.Marina foi guia turística no Museu do Hermitage nos anos 1940. Com a idade, ela não consegue mais se lembrar de eventos diários ou datas importantes-como o casamento de sua neta-, mas lembra-se de maneira vívida dos seus anos na Guerra.Em meio à doença, a mente cansada de Marina é invadida por imagens de sua juventude em uma Leningrado sitiada pelo exército nazista durante a Segunda Guerra, uma época de fome, dor e medo. A realidade se mistura com suas lembranças da guerra de forma que ela já não consegue distinguir presente e passado, indo em uma direção que pode colocar em risco sua vida.
Iremos conhecer a história de Marina que foi guia turística no museu de Hermitage nos anos de 1940 e viveu na segunda guerra mundial.



"Mas quando as pessoas partem, elas não voltam. Essa tem sido uma experiência. Isso é real."


Atualmente uma senhora com Alzheimer, sua mente trás o passado a tona e se mistura com seu presente.

"- Algumas coisas são melhores quando esquecidas."

Ela vai reviver seus momentos de dor, tristeza e amor. E isso pode colocar sua vida em risco.
É uma leitura cheia de detalhes, a autora consegue nos inseri na vida da personagem de forma que nos deixa apreensivos por ela, pela situação que ela viveu na guerra e pela que ela vive.

"Se ela se perdesse, ele poderia encontrá-la no escuro apenas pelo toque."

É uma história melancólica, cheia de perdas, mas é uma bela história, que envolve arte e trás detalhes das obras e do museu. E isso me deixou bem curiosa e com vontade de conhecer, procurando mais sobre o museu encontrei um site onde é possível fazer um tour virtual por algumas obras descritas pela personagem.

[Filme] O Retorno de Mary Poppins

Após mais de 50 anos, temos a volta da babá mais mágica e querida, em O Retorno de Mary Poppins, a essência do clássico de 64 se mantém. Nada muda, teremos a mesma história de drama familiar, em que a nossa babá surge para tomar conta dos filhos de Michel Banks que ficou viúvo e conta com a ajuda de sua irmã Jane, e desde o inicio do filme fica bem claro que o objetivo dela é deixar seus ensinamentos novamente para eles.
É um filme que trás toda uma nostalgia, as cenas em que as animações fazem parte é muito bem feita, o musical como todo foi muito bem elaborado. Mas confesso que achei ele bem cansativo, mas é um bom filme.


Sinopse: Numa Londres abalada pela Grande Depressão, Mary Poppins (Emily Blunt) desce dos céus novamente com seu fiel amigo Jack (Lin-Manuel Miranda) para ajudar Michael (Ben Whishaw) e Jane Banks (Emily Mortimer), agora adultos trabalhadores, que sofreram uma perda pessoal. As crianças Annabel (Pixie Davies), Georgie (Joel Dawson) e John (Nathanael Saleh) vivem com os pais na mesma casa de 24 anos atrás e precisam da babá enigmática e o acendedor de lampiões otimista para trazer alegria e magia de volta para suas vidas.
Elenco: Emily Blunt, Lin-Manuel Miranda, etc.
Duração: 2h 11min
Diretor: Rob Marshall
Distribuidora: Walt Disney
Gênero: Família
Classificação: 9 anos

Assista ao Trailer:


[Evento] LiteraRJ


LiteraRJ - evento literário e cultural que contará com a presença de diversos autores nacionais incluindo a escritora Rô Mierling.
O evento trará uma tarde de bate-papos, sorteios, jogos literários, brincadeiras, e muita interação. Diversos autores convidados e a participação de algumas editoras com preços super em conta já para aumentar o número de livros para serem lidos no começo do ano! Confirme sua presença e chame os amigos!
Apoio Governo do Rio de Janeiro e da Secretaria de Cultura do RJ.


Local: Biblioteca Parque Estadual 
Hora: 13: as 18:00

[Resenha] Juntos Somos Eternos


Livro: Juntos Somos Eternos
Autor: Jeff Zentner
Páginas: 344
Ano: 2018
Comprar: Físico

Sinopse: Jeff Zentner, autor de Dias de Despedida, traz outra história comovente sobre família, amizade e amor, com uma visão emocionante e ao mesmo tempo bem-humorada sobre a dura realidade de crescer em um ambiente conservador.Dill não é um garoto popular na escola — e não é culpa dele. Depois de seu pai se envolver em um escândalo, o garoto se tornou alvo de piadas dos colegas e passou a ser evitado pela maioria das pessoas na cidadezinha onde mora. Felizmente, ele pode contar com seus melhores amigos, Travis e Lydia, que se sentem tão excluídos ali quanto ele. Assim que os três começam o último ano do ensino médio, mudar de vida parece um sonho cada vez mais distante para Dill. Enquanto Travis está feliz em continuar no interior e Lydia pretende fazer faculdade em uma cidade grande, Dill carrega o peso das dívidas que seu pai deixou para trás. Só que o futuro nem sempre segue nossos planos — e a vida de Dill, Travis e Lydia está prestes a mudar para sempre.
Nesse livro iremos conhecer a história de três amigos Dill, Lydia e Travis, cada um com um estilo de vida diferente, sonhos diferentes mas amigos acima de tudo.

"- Acho que a vida é mais do que a soma de suas partes - Lydia disse. - Não acho que seja justo medir uma vida por conquistas."

Dill é filho de um pastor que está preso, ele e a mãe tem que pagar as dívidas e vivem com o básico, quando não está na escola, ele está trabalhando e nas horas vagas se encontra com os amigos. Rejeitado por todos, pois colocam a culpa de seu pai está preso nele, porém, Lydia e Travis são porto seguro dele.

"Fiz dos livros a minha vida porque eles me permitem escapar deste mundo de crueldade e selvageria."

Lydia tem uma vida maravilhosa em comparação aos seus dois amigos, possui um site onde fala de moda, quer sair de Forrestville e estudar em Nova Yourk, odeia cidade pequena.
Travis é de família humilde, seu pai é um alccolátra e trabalha numa loja de madeiras e Travis trabalha com ele, sua mãe vive dentro de casa e faz algumas costuras pra fora. O pai que que ele entre pro time de futebol americano, mas Travis gosta de ler sobre fantasia e é o oposto do pai.

"E, se é pra viver, é melhor que seja para fazer coisas dolorosas, valentes e belas."

Esse trio é inseparável, estão sempre juntos e aproveitam bem os momentos apesar dos problemas, mas as coisas começam a mudar com a chegada do último ano do ensino médio e as circunstâncias fazem com que a amizade oscile entre eles.
Será que eles serão capazes de superar as barreiras juntos? É um livro que trás temas como amizade, fé, superação, esperança e coragem. A questão religiosa é muito forte dentro da história. é um livro que me fez chorar e refletir.

Vamos Falar de Mystery Box - Nerd ao Cubo

Assista ao vídeo e não esqueça de deixar seu like!


PROPOSTA

Uma caixa com uma camisa e quatro ou mais itens relacionados ao universo geek, alguns exclusivos.
O Envio são feitos a partir do dia 15 de cada mês.
Valor R$ 79,90 + Frete