[Poema] Trocas

Houve partida houve silêncio 
houve mudez de olhar perdido 
sobre as areias ondas mansas 

Os pés descalços sem caminhos 
romperam trilhas transcendentes 
Corpo cansado alma constrita 
deitei desejos e sentidos 
na relembrança do que fomos: 

À brisa morna alma de sonhos 
ao marulhar do sangue ativo 
cortei cidades e montanhas 
sob o calor das tuas ânsias 
Vivi teu corpo êxtase puro 
sonhando os teus mágicos ais 

Caminhos feitos de algodão 
eis-me sereno ao som do mar 
marcando a areia com meu corpo 
sobre os lugares dos teus passos 

Quando a distância edificar 
muros fatais ao reencontro 
retornarei à areia morna 
então juntar-me à silhueta 
do teu corpo junto ao meu 

Carrego vivos na memória 
Teus olhos úmidos nos meus 
trocando temas luxuriantes

(Autor Desconhecido)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela sua visita!
Volte Sempre!